Aplicação do 5G em soluções de IoT para a saúde

Aplicação do 5G em soluções de IoT para a saúde

O impacto da IoT (Internet das Coisas, em português) nos negócios e na sociedade é inegável, já falamos sobre isso aqui. Porém, a discussão se torna mais abrangente quando falamos das inovações que o 5G trará para esse setor. Com baixa latência e mais velocidade, será possível melhorar e tornar mais acessível as consultas em médicos, tratamentos, exames e procedimentos. E a Ericsson já realiza parcerias para que esse futuro se torne realidade o mais rápido possível. 

Monitoramento de saúde em tempo real 

Uma das aplicações do 5G na IoT é o cuidado com os pacientes por meio de troca de informações. Esse tipo de sistema pode coletar tudo que o paciente consome de alimentos e o estado do corpo, caso tenha febre, pressão alta etc. Além da possibilidade de enviar informações do ambiente para a família, médicos e enfermeiros. Isso permitirá tomadas de decisão em tempo real e a criação de espaço para novas aplicações baseadas em inteligência artificial e análise preditiva. Para tratamentos de doenças como a diabetes ou doenças cardíacas, esse monitoramento pode ajudar a salvar vidas. 

Por isso, é importante que esses dispositivos inteligentes tenham flexibilidade e possam ser acessados de qualquer lugar. Nesse momento, começamos a falar sobre o 5G e seus benefícios, a baixa latência e a alta velocidade. Um exemplo disso é a Brighter, uma empresa que produz aparelhos de monitoramento com essas características. De acordo com eles, a Ericsson pode ajudá-los a tornar o serviço mais acessível para consumidores locais e ao redor do mundo. 

Sem o 5G esse objetivo era distante, já que as redes existentes não permitem a qualidade de conexão necessária, e, além disso, são extremamente sensíveis, o que exige novos padrões de segurança de dados. Mas agora com quinta geração e os serviços da Ericsson Connectivity Management, é possível garantir que a Brighter tenha uma visão ampla para o gerenciamento em tempo real de todos os dispositivos, chamados Actiste. 

Atendimento mais rápido de emergências  

As redes 4G (LTE) permitem que equipamentos médicos sejam entregues via drones, porém ainda existe uma série de problemas, como perda de visão durante o voo devido à alta latência e desconexão do mapa ou da câmera. Com o 5G, além de evitar esses problemas, também será possível atingir distâncias mais longas e operar sistemas de drones inteligentes, autônomos e em tempo real. 

Em países como o Canadá, com florestas e neve, a baixa latência na comunicação com os aparelhos é um fator decisivo. A Ericsson participou dos testes de entrega de desfibriladores via drone, realizados na província de Ontario no país, com a conectividade 4G (LTE). O tempo economizado no percurso, com o uso do 5G, é essencial para situações de emergência em áreas de difícil acesso. A previsão para o país é de que no futuro sejam entregues outros equipamentos e medicamentos em lugares de acesso privado, residencial ou em áreas rurais distantes dos grandes centros.