Games imersivos e conexões em IoT terão impulso com o 5G

Games imersivos e conexões em IoT terão impulso com o 5G

Todos nós já paramos, pelo menos por um instante, para pensar como será o futuro com a chegada do 5G e as possibilidades de hiperconexão com rapidez que as novas redes trarão a nossas vidas.

Há inúmeros profissionais que dedicam seu tempo a pesquisas sobre as atuais tecnologias e como elas poderão nos encantar ainda mais com a chegada do 5G.

Assim são os casos de Alvin Jude e Bodil Josefsson, da Ericsson. Jude, que é pesquisador, chama pessoas para que, juntos, testem e opinem sobre experiências de conexão imersivas e como elas podem ser ainda melhoradas.

Josefsson, líder das soluções de segurança em IoT, estuda a conexão das coisas e a segurança envolvida nos processos de circulação de enormes quantidades de dados, inclusive em nuvem, que serão geradas pelas próprias possibilidades de ligação e trafegarão nas redes 5G.

O futuro será fascinante, e nos vídeos abaixo, os especialistas da Ericsson projetam um pouco de como serão essas experiências.

Confira:

GAMES

Desde que surgiram, e ao longo de sua evolução, os games se tornam mais e mais realísticos. Porém, até agora, a vasta maioria dos jogadores ainda se diverte olhando para uma tela. Descubra como, nas palavras de Alvin Jude, pesquisador da Ericsson, especializado em interação homem-computador, o 5G vai trazer experiências imersivas, abrindo uma nova dimensão do reallismo.

“Não queremos apenas produzir tecnologia, nós queremos produzir tecnologia que as pessoas desejem usar.

Eu tento entender como tornar a tecnologia mais “humana”. As pessoas são diferentes, em termos de personalidade, gostos. Nós observamos as pessoas, as colocamos em um laboratório, as fazemos usar as tecnologias e falar do que elas gostam e do que elas não gostam.

Entre essas tecnologias, levamos a elas vídeo de alta definição, áudio “espacial”. E questionamos: essas tecnologias melhoram a experiência? Caso sim, ótimo, nós vamos utilizá-las. Caso não, nós vamos encontrar maneiras de torná-las melhores e mais imersivas. Às vezes, isso implica em quebrar a tecnologia em componentes individuais e identificar quais deles contribuem para melhores experiências. Nosso trabalho é identificar todos estes diferentes tipos de tecnologias e como elas se relacionam com as pessoas.

Sabemos que os games vem se tornando mais realistas. Então, que tipo de games imersivos estamos tentando fazer? Estamos tentando jogar esportes imersivos? Por exemplo, vamos pensar em uma pessoa que gosta de praticar boxe com outra. Você vai precisar do 5G, que vai possibilitar esse tipo de interação – tempos de resposta mais rápidos, realidade virtual e realidade aumentada em tempo real, com latência ultra baixa.

Assim, games imersivos como os que já existem hoje se transformarão em experiências mais realistas e acuradas, tal como se fossem vida real. Não importa muito qual a taxa de transferência de dados ou quantos frames por segundo teremos. Todas essas coisas são importantes, porém o que torna um game bom são as pessoas aproveitando. Isso é tudo que importa”.

================================================

INTERNET DAS COISAS

Internet das Coisas não se trata apenas de ligar coisas apenas por conectar, mas pensar em ligar sistemas e enlaçar seus resultados. Por exemplo, um sistema elétrico, recebendo dados, que permita programá-lo melhor economizar energia, tornando o processo realmente inteligente. Sabe como, nas palavras de Bodil Josefsson, líder das soluções de segurança em IoT da Ericsson, isso pode funcionar muito bem na conexão com outras estruturas, como redes de cidade e de trânsito.

“Muitas pessoas falam sobre conectar coisas, apenas porque você pode fazer isso. Mas nós estamos começando a conectar coisas para alcançar um objetivo. IoT não é apenas sobre conectar coisas, mas sim sobre conectar resultados.

Um dos que podemos falar é a infraestrutura. Quando conectamos infraestruturas – a de trânsito e circulação, a da cidade, a da energia, isso representa uma grande economia, com os quais você pode basear decisões como orientar o trânsito, distribuir a energia das melhores maneiras.

Na realidade, são os resultados que queremos conectados. E em qualquer discussão que você tem com empresas sobre IoT, a questão da segurança aparece, é sempre parte das preocupações – seja uma indústria muito avançada, uma montadora de automóveis, a segurança está sempre na agenda.

É fundamental sabermos que a segurança é uma funcionalidade nativa do padrão do 5G. Quando conectamos tudo, claro que surgem mais pontas para ataques, e se você não protege a cadeia de ponta a ponta, você está em risco. E isso significa tudo que parte de um dispositivo, passando pela rede, até um tipo de plataforma na nuvem, onde os dados são processados.

Nós acreditamos em conectar coisas, porque isso vai trazer benefícios para todo mundo. As perspectivas para esse futuro são muito positivas”.


A Ericsson reserva-se o direito de não ser responsável pela atualidade, correção, completude ou qualidade das informações fornecidas. Consequentemente, serão rejeitados os processos de responsabilidade civil relativos a danos causados pelo uso de qualquer das informações fornecidas, incluindo informações de qualquer tipo que sejam incompletas ou incorretas.