Diferenças entre as redes 1G, 2G, 3G, 4G e 5G

Diferenças entre as redes 1G, 2G, 3G, 4G e 5G

A Ericsson e a RCS & RDS (DIGI) lançaram o primeiro serviço comercial 5G da Romênia, nas regiões mais movimentadas de Bucareste, oferecendo maior velocidade de banda larga móvel para empresas e consumidoreC

A tecnologia móvel é uma das áreas em telecomunicações que precisa obrigatoriamente estar em constante evolução. Isso é fato. Mas você sabe as diferenças das gerações de redes móveis?

O que você provavelmente já ouviu é que os termos 1G, 2G, 3G, 4G e 5G indicam as gerações de tecnologia para redes móveis. Entre elas, há sempre uma melhoria intermediária, como se fosse uma preparação para o que ainda está por vir.

O 5G já é uma realidade no mundo e em breve estará disponível também no Brasil, transformando toda a sociedade.

Para ajudar a entender melhor a diferença entre as gerações de redes móveis, descrevemos abaixo um pouco sobre essa evolução:

1G: O lançamento da Telefonia Móvel

É o sinal de telefonia analógico. Foi popularizado na década de 1980 e suportava chamadas de voz por meio de circuitos dedicados àquela conexão durante toda a chamada. O sistema mais utilizado nesta época era o AMPS (Advanced Mobile Phone System), que aos poucos deu lugar ao sinal digital, ou 2G.

2G: A popularização da Telefonia Móvel

Começou a ser implantado na década de 1990 com tecnologia de sinal digital e é até hoje utilizado em várias partes do mundo. O GSM (Global System for Mobile Communications) foi o sistema que prevaleceu desde aquela época e ainda está em uso para chamadas de voz e transações via POS (Point-of-Sales). Ele é utilizado para as conhecidas “maquininhas” de cartão de crédito, por exemplo, devido a boa qualidade de voz e ao fato de que suportam 2G, além de terem menor custo. Para a internet móvel, no entanto, já está bastante defasado, pois a taxa de dados oferecida é muito baixa e, portanto, incompatível com as aplicações em uso na atualidade (Facebook, Instagram, YouTube, entre outras plataformas).

3G: O lançamento da Banda Larga Móvel

O 3G é a denominação utilizada para classificar a terceira geração das redes móveis. A tecnologia começou a ser instituída ainda no começo dos anos 2000 e trouxe a promessa de velocidades superiores ao 2G, com taxas próximas a 144,4 Kb/s (kbits por segundo), que chegavam até 21 Mb/s (megabits por segundo), com a evolução que ocorreu ao longo dos anos. Atualmente, o padrão está disponível em grande parte do território nacional.

4G: A evolução da Banda Larga Móvel

O 4G, também conhecido como LTE, começou a ser discutido ainda em 2008. Uma das principais características era a capacidade de atingir velocidades de 150 Mb/s em dispositivos móveis, simplesmente inalcançável para a tecnologia da época, algo em torno de 10 vezes mais rápido do que o 3G. Esse salto expressivo permitiu que serviços complexos, como streaming de vídeos, músicas e jogos on-lines fossem utilizados em redes móveis. A evolução desembarcou no Brasil por volta de 2013.

4,5G: Rumo ao 5G

O 4,5G – também chamado de 4G+ ou LTE Advanced – é um avanço sobre o que o 4G convencional entrega em termos de banda, representando de quatro a cinco vezes mais velocidade para o usuário. Essa tecnologia já vem sendo implementada no Brasil e ganhou um suporte adicional com a a faixa de 700 MHz, liberado pela TV analógica.

5G: A sofisticação da Internet das Coisas

A quinta geração de redes móveis começou a ser implementada em várias partes do mundo. As metas para o futuro 5G incluem velocidades significativamente mais rápidas (um mínimo de 1 Gbps e talvez até 10 Gbps), latências baixíssimas (menores que 10 ms), além de maior economia de bateria para suportar melhor os grandes números de novos dispositivos da Internet das Coisas (IoT).